Como escolher um sistema de crediário para a sua loja

Ok. Você finalmente se convenceu de que precisa adotar um sistema de crediário para sua loja. Já sabe que é possível vender mais e melhor trabalhando com crediário próprio e que a tecnologia é sua aliada para rentabilizar as vendas no carnê.  

Agora chegou a hora de reunir informações para tomar uma decisão muito importante:

Que sistema escolher para o seu negócio?

Pesquisando por soluções no Google, você provavelmente deve ter encontrado algumas empresas que oferecem (aparentemente) os mesmos serviços: análise de crédito, cadastro de clientes, controle de pagamentos e cobrança automática.

E agora? Como encontrar a melhor opção para a sua loja?

Foi justamente para ajudar você nessa tarefa que decidi escrever este artigo. 

Vamos lá?

Para escolher um software de crediário ideal, você deve ficar atento às seguintes características:

  • O segmento de mercado que o sistema atende;
  • O método de pagamento adotado (carnê, cartão virtual, cartão físico ou boleto);
  • A maneira como é feita a análise de crédito;
  • Se há provas concretas de eficiência e clientes satisfeitos.

A seguir, vou detalhar cada um desses tópicos na forma de perguntas que você deve fazer antes de tomar uma decisão.

Vem comigo!

1. A empresa que fez este sistema entende o meu mercado?

A primeira coisa que você deve observar ao escolher um sistema de crediário para sua loja é se ele atende às demandas do seu ramo de negócio.

Digo isso pois existem algumas plataformas que “atiram para todos os lados”.

E, convenhamos, não adianta investir em uma ferramenta de análise de crédito voltada para grandes financiamentos se você tem uma loja de roupas com um ticket médio de R$ 500.

Quando você está com dor de dente, vai procurar que tipo de profissional?

Um dentista, não é?

Afinal, ele é quem mais entende desta parte específica do corpo.

Com o crediário é a mesma coisa. 

Se você adotar uma ferramenta “genérica”, sua análise não terá tanta consistência quanto poderia ter caso fosse feita por especialistas no seu segmento.

Por isso, prefira sempre um software criado especificamente para o seu perfil de negócio!  

2. Eu consigo fazer os pagamentos gerarem vendas?

Carnezinho, cartão private label, cartão virtual… São muitos os modelos de pagamento utilizados pelas empresas que fornecem softwares de gestão de crediário.

Mas qual deles funcionaria melhor na sua loja?

Na hora de decidir que modelo adotar, vale lembrar do principal benefício que o crediário traz para o varejista: a recorrência do cliente!

Com isso em mente, posso afirmar que a melhor opção para o segmento de confecção, calçados, óticas e lojas de departamento ainda é o tradicional carnê impresso.

Falo com propriedade sobre este assunto, pois aqui na Meu Crediário nos especializamos em atender lojistas destes segmentos.

Por que não usar os meios digitais?

Você pode me questionar: Mas o cliente jovem gosta de fazer tudo digital!

Será mesmo?

E ainda que ele goste, esta é realmente a melhor opção para o seu negócio?

Você realmente prefere que ele use a internet em vez de voltar à loja para pagar o carnê e fazer uma nova compra?

Sabe quanto dinheiro você deixa na mesa quando o cliente paga um boleto no banco?

Não? Pois eu sei!

Basta dizer que, de cada dez clientes que vão até a loja pagar uma prestação, três fazem uma nova compra.

Agora faça essa conta com o boleto ou cartão. Veja quantas vezes o cliente volta à sua loja enquanto está com as prestações em aberto.

Você vai ficar surpreso!

😱

O que seu cliente prefere?

Uma coisa é certa: todo consumidor (seja ele jovem ou não) gosta de boas promoções e de um bom atendimento no crediário.

Aliás, uma das principais características dos brasileiros é que nós gostamos de contato humano, de conversar, de “ver” as coisas com as mãos…

Ou seja: o brasileiro gosta de ir a lojas! Isso é um fato.

E além do mais, quantos cartões uma pessoa consegue guardar na carteira?

Pense bem:

Quantos cartões de loja você tem? Costuma usá-los com frequência?

Você já perguntou para seu cliente o que ele prefere? Carregar mais um plástico no bolso ou ter a possibilidade de pagar no carnê com condições facilitadas?

E tem outra:

Caso você encontre por aí alguma plataforma “100% virtual” de pagamento, pense duas vezes!

Se o seu cliente é do tipo que paga com um cartão virtual, ele pode estar prestes a trocar as visitas mensais que fazia à sua loja pelas compras online 

🤔

Portanto, mesmo que a sua clientela seja predominantemente jovem, isso não é motivo para abandonar o bom e velho carnezinho.

Você só precisa entender o perfil de risco do seu público e utilizar a metodologia de análise de crédito adequada.

3. Como é feita a análise de crédito?

Quando for escolher um sistema de crediário para sua loja, você precisa buscar uma metodologia de análise de crédito inteligente.

Mas o que eu quero dizer com isso?

É simples. Não adianta consultar informações apenas na base de dados X se o cliente está negativado na base Y.

Como você acha que trabalham as grandes empresas? Apenas consultando clientes inadimplentes no SPC e Serasa? Não, né! Há muita inteligência por trás.

Lembre-se que você não vai conseguir cobrar de quem não tem dinheiro para pagar, por isso o esforço deve ser na inteligência estratégica. Priorizar a análise na hora da venda para não ter problemas com inadimplência mais tarde.

Muitas empresas prometem fazer milagres com a cobrança para varejistas que vendem no crediário.

Acredite, isso não faz nenhum sentido!

Você pode ter a melhor política de cobrança na sua loja, mas nada garante que todos os recursos investidos nessa área vão retornar na forma de pagamentos.

Tem uma frase que meu sócio gosta de usar nestas ocasiões, quando um lojista diz que prefere não fazer análise para “economizar”:

Não existe almoço de graça, o que é barato pode sair caro.

Traduzindo para o “lojês”:

Nunca venda para alguém achando que consegue cobrar depois. Isso não funciona!

O problema das plataformas com score genérico

Quando se fala em análise de crédito para o varejo é preciso ter muito cuidado com as informações que você encontra por aí.

Algumas empresas vendem seu sistema de crediário para lojas de calçados, por exemplo, mas fazem a análise utilizando um score de crédito de mercado.

É o tipo de “solução genérica” que mencionei antes, que não oferece as informações adequadas para este segmento.

Vou dar um exemplo:

Se o limite de crédito de um cliente na compra de um tênis for de R$ 800, isso não significa que ele terá o mesmo limite quando for comprar um guarda roupas.

Concorda comigo que uma pessoa com condições de comprar um tênis nesse valor pode comprar um guarda roupas que custe bem mais do que R$ 800?

Além disso, tenha muito cuidado com as informações dos birôs de crédito. SPC, SCPC e Serasa podem parecer a mesma coisa, mas não são! Fique atento aos detalhes para não sair no prejuízo.

4. Posso confiar neste sistema de crediário?

Quando for escolher um software de crediário para a sua loja, busque apenas empresas idôneas, com credibilidade no mercado e experiência comprovada na área. Afinal, você estará abrindo uma parte estratégica do seu negócio para terceiros.  

Aqui na Meu Crediário nós temos como missão ajudar o varejista a ter informações precisas sobre as finanças da sua loja.

Por isso, a privacidade dos dados e a credibilidade que temos diante do mercado é um ativo fundamental para nosso modelo de negócio.

Desde o dia que a loja começa a trabalhar conosco ela sabe exatamente como podemos ajudá-la e qual o índice de inadimplência adequado para o segmento em que atua.

É importante lembrar que lojas de segmentos diferentes possuem riscos de crédito e índices de inadimplência diferentes.

Busque a opinião de outros usuários

Antes de escolher seu sistema de crediário, procure conhecer a experiência que outras lojas vêm tendo com as plataformas que adotaram. De preferência, ouça o que dizem os lojistas que atuam no mesmo ramo que o seu. 

Nada melhor do que conferir a opinião de quem usa o sistema de crediário na prática, no dia a dia do comércio.

O sistema Meu Crediário tem uma série de casos de sucesso documentados no nosso blog, que você pode acessar clicando aqui.

Cuidado com os modismos

Não custa avisar: seja muito cauteloso ao adotar qualquer tipo de solução mirabolante na área de concessão de crédito.  

Você imagina que já lançaram até uma pulseira que é cartão de crédito!

Achou interessante? Pois saiba que isso até hoje tem dificuldades em ganhar mercado.

Então o melhor é começar pelo feijão com arroz. E fazer bem-feito.

Primeiro implante o crediário próprio tradicional, com carnê e um controle mais manual, talvez com o auxílio de alguma planilha.

Quando tudo estiver funcionando adequadamente, veja se realmente existe a necessidade de buscar algo mais tecnológico para aumentar o faturamento da loja.

Gastar um monte com sistemas apenas para dizer que é “moderno” não é o caminho, acredite!

A experiência da Meu Crediário no Vale do Silício

Em 2015, meu sócio e eu fizemos uma imersão de inovação nas empresas do Vale do Silício: Google, Facebook, Oracle, Apple e por aí vai…

Desde aquela época, gigantes como Apple e Google vêm tentando lançar as chamadas “carteiras digitais” para viabilizar pagamentos online.

Como você deve perceber, até hoje isso não roda direito nem ao menos nos Estados Unidos, onde esse tipo de pagamento não tem nem data para começar a funcionar.

Veja que estamos falando de empresas com grande capital humano e financeiro. Então fique atento a quem promete algum milagre tecnológico na área de pagamentos.  

Dica final: busque sempre uma segunda opinião!

Antes de fechar negócio e adquirir um sistema de crediário para sua loja, faça uma ampla pesquisa analisando diversas empresas nessa área.

A melhor maneira de saber se está tomando a decisão correta é comparando as soluções, seus modelos de negócio e a qualidade dos softwares.

Isso vale, inclusive, para o Meu Crediário

😉

Um abraço e boas vendas!