É seguro vender para cliente conhecido sem analisar o perfil de risco?

Você oferece crediário na sua loja e, ao vender para conhecido, costuma se questionar: será que compensa analisar o perfil de risco do cliente? Então, precisamos conversar.

Apesar de ser algo tentador para quem almeja facilitar o processo e reduzir custos, é uma prática que exige bastante atenção e cautela, afinal, a análise de crédito é um passo essencial aos lojistas.

Pensando nisso, estou aqui para desmistificar e te contar o que pode acontecer à loja e ao índice de inadimplência se você continuar fazendo isso. 

Por que analisar o perfil de risco é importante?

Sabemos que a concessão de crédito no varejo é uma opção muito vantajosa à economia de modo geral. Diante disso, inúmeras pessoas aderem ao crediário. 

E qualquer lojista que ofereça esse meio de pagamento sabe muito bem que a etapa mais importante do processo, que garante sucesso na estratégia, é justamente a análise do crédito do cliente para decidir por aprovar ou não o financiamento.

Esse momento é primordial. É nele que o lojista pode avaliar e identificar se o cliente é ou não é um bom pagador. 

Para isso, então, inicia-se por consultar o CPF do cliente. Também é acessado o banco de dados das entidades responsáveis pelos cadastros de proteção ao crédito e, por fim, pode-se descobrir se o comprador está negativado no SPC.

Esse processo é um direito garantido a qualquer vendedor, e os clientes, normalmente, já sabem que irão passar por isso. Portanto, podemos dispensar o receio de analisar o CPF do consumidor. 

Pelo contrário, é super válido lembrar que tudo isso é feito para avaliar o risco de inadimplência do cliente e é esse o princípio básico para uma boa análise de crédito no varejo e para garantir mais segurança nas vendas a prazo. 

Sendo assim, por que vender sem analisar o perfil de risco? 

Talvez porque você já o conhece o consumidor e sem analisar tudo fica bem mais simples e até mais barato? Será mesmo? Vamos ao que interessa…

Compensa analisar o perfil de risco do cliente?

Para responder essa questão e garantir segurança ao seu processo de vendas a prazo, você pode assistir ao vídeo ou simplesmente continuar a leitura:

Antes de qualquer outra coisa, para analisar o histórico dos clientes, é necessário que você calcule o índice de inadimplência mantendo um sistema de controle de contas a receber.

Para explicar melhor, vou exemplificar com o modelo que utilizamos no Meu Crediário. 

Na plataforma, a fim de obter uma melhor gestão de risco de crédito, os clientes passam por uma análise de dados estatísticos e cadastrais e, automaticamente, por meio do algoritmo, o risco de inadimplência é calculado. 

Além disso, a partir desse algoritmo próprio e inteligente, classificamos os clientes por meio de um score de crédito que encaixa cada um deles em perfis de risco diferentes que vão da letra A até a E.

É simples: quanto mais perto da letra A, menor é o risco de inadimplência da venda. E quanto mais próximo do E, maior é o risco. 

Geralmente, a inadimplência da não análise se encaixa entre C e D, girando em torno de 8 a 10%. Ou seja, é uma inadimplência já caindo para um modelo de risco maior.

Nessa situação, a loja entende que o cliente que ela não precisou analisar é alguém que já conhece e vê, dessa forma, como uma maneira de reduzir custos optando pela não análise. 


Mas, chegando em determinados momentos, essa inadimplência começa a ficar muito alta. E, nesse contexto, o lojista encontra dificuldades para ajustá-la.

A boa notícia é que é possível criar algumas regras para identificar quando compensa analisar ou não.

É possível facilitar o processo com clientes conhecidos?

Sabendo que mesmo com clientes conhecidos não analisar o perfil pode ser algo arriscado, é válido ressaltar que é claro que não necessariamente toda venda de 50 reais, por exemplo, precise ser analisada e scorada. 

Sim, você não precisa consultar o SPC ao realizar vendas de valores do tipo. Porém, nesse primeiro momento, é mesmo necessário deixar que o sistema faça algumas análises.

Diante disso, para deixar o processo mais fácil em determinadas situações, você pode, por exemplo, criar alguma regra para não analisar vendas de 50 reais para baixo. 

Eu até concordo que realmente com esse valor de venda não faz mesmo sentido ter uma análise. Mas isso, claro, se o cliente estiver entre A e B, o que configura um perfil de menor risco. 

Ainda assim, essa regra estabelecida precisa ter algumas especificações e limitações. 

Se o cliente está, por exemplo, a 90 dias sem comprar na loja, mesmo sendo uma venda de ticket baixo, é necessário que você, eventualmente, analise seu perfil e, dependendo da situação, busque averiguar a última venda.

Nesse último caso, é importante verificar a classificação do consumidor. Questione-se: será que, no caso do Meu Crediário, ele ficou na letra D? É um perfil de risco, então?

Outro aspecto importante é no momento da cobrança. Se você não sabe qual foi a scoragem do cliente do momento da venda, você também terá dificuldades para cobrar. 

Por que isso acontece? Porque normalmente a loja precisa colocar esforço para cobrar os clientes de baixo risco. A prioridade é que, em primeiro lugar, tente-se cobrar o público com percentual de pagamento maior – aqueles que se encaixam entre A, B e C.

Para as vendas com valores menores que 50 reais, o sistema do Meu Crediário já prepara uma atualização visando facilitar o processo, sem uma análise complicada e custosa. 

Por isso é que agora te convido: que tal conhecer o sistema que pode aumentar as suas vendas a prazo e, ainda, tornar todos os processos – inclusive os de clientes conhecidos – bem mais simples e satisfatórios?

Quer conhecer? É bem simples: clique aqui e comece agora mesmo inserindo seu e-mail.

Você vai se interessar também

É seguro vender para cliente conhecido sem analisar o perfil de risco?

Você oferece crediário na sua loja e, ao vender para conhecido, costuma se questionar: será que compensa analisar o perfil ...
4 min de leitura | 28/07/2020
Pix novo meio de pagamento

Pix o novo meio de pagamento no Brasil. O que muda no seu crediário?

Você já ouviu falar do novo modo de pagamento chamado Pix? Desenvolvido pelo Banco Central, o Pix é um meio eletrônico para ...
4 min de leitura | 16/07/2020

Como as vendas a prazo podem te ajudar a manter seus clientes e aumentar as vendas

Independentemente do segmento em que atue, uma loja só consegue se posicionar no mercado competitivo se souber vender os seus ...
4 min de leitura | 01/07/2020

Deixe seu comentário sobre o artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A inadimplência não te deixa dormir?

Análise de crédito, cobranças automáticas e negativação de inadimplentes, tudo no mesmo sistema, tudo rápido e fácil.
Chega de preocupações!

A inadimplência não te deixa dormir?

Análise de crédito, cobranças automáticas e negativação de inadimplentes, tudo no mesmo sistema, tudo rápido e fácil.
Chega de preocupações!