10 dicas para evitar golpes no seu crediário

Mesmo tomando todos os cuidados na hora de aprovar o crédito, o lojista brasileiro ainda convive diariamente com o risco de fraude nas vendas a prazo.

Por isso, além de cuidar da inadimplência com ferramentas de consulta e análise de crédito, é necessário adotar medidas práticas para se proteger e evitar golpes no crediário.

Afinal de contas, quem nunca foi passado para trás por um cliente mal-intencionado?

Com base nos dados do mercado, posso afirmar que são poucos os lojistas que ainda não passaram por uma situação dessas.

De acordo com a Serasa Experian, a cada minuto ocorrem 3,7 tentativas de fraude com documento falso no país.

Segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em 2018, golpes praticados por estelionatários causaram prejuízos financeiros a 11% das micro e pequenas empresas brasileiras.

Entre os golpes mais comuns estão o recebimento de cheques falsificados ou roubados (33% dos casos) e as transações feitas com cartões de créditos clonados (25%).

Em seguida vêm as compras com RG, CPF ou CNH de terceiros (10%), o uso de documentos falsificados (10%) e as compras feitas com cartão de débito clonado (8%).

No comércio, os principais alvos dos golpistas são lojas que vendem a prazo, seja no cartão, no boleto ou no crediário.

O que fazer para não cair nesses golpes?

Os especialistas em combate a fraudes destacam que o estelionatário costuma aproveitar a desatenção do lojista ou de seus funcionários.

É preciso ficar ainda mais alerta em vésperas de feriado e no final da tarde de sexta-feira. Segundo a Serasa, o risco de golpes aumenta em cerca de 25% nesses períodos.

Estes são os momentos mais escolhidos pelos golpistas para aplicarem fraudes, pois é exatamente quando a loja está mais movimentada e os colaboradores estão mais dispersos.

Outro período crítico que deve ser observado por quem busca evitar golpes no crediário é a segunda quinzena do mês, especialmente em horários próximos das 15h.

Geralmente quando o movimento está muito baixo e as vendas são poucas, as lojas fazem apenas uma consulta básica de CPF e acabam aprovando o crediário sem muitos critérios.

Portanto, fique alerta!

A melhor maneira de evitar que esses crimes aconteçam é a prevenção.

Tirando aqueles golpes extremamente sofisticados – que representam uma pequena parcela dos casos –, a ação dos criminosos pode ser identificada com facilidade.

Para isso, basta seguir rigorosamente algumas regras simples. Confira a seguir:

10 dicas para evitar golpes no crediário

  1. Exija sempre a apresentação de documentos originais (RG, CPF e CNH).
  2. Confira com atenção todos os detalhes do documento. Foto recente em uma carteira de identidade emitida há 20 anos é indício de falsificação.
  3. Compare as informações dos documentos apresentados. O comprovante de residência deve trazer exatamente o mesmo nome apresentado no RG. Estranhe se a identidade pertencer a Carlos da Silva Batista e a conta de luz for registrada em nome de Carlos Batista. Os falsários aproveitam pequenas variações na identificação.
  4. Verifique a assinatura na documentação e veja se ela é similar à assinatura do contrato de crediário;
  5. Adote uma ferramenta de análise de risco para garantir vendas mais seguras.
  6. Fotografe o cliente que deseja abrir crediário e acrescente a imagem ao seu cadastro. Faça como as portarias de alguns edifícios, que usam webcams para o registro de quem entra e sai. Um falsário vai pensar duas vezes antes de querer ter a imagem registrada.
  7. Peça telefones residenciais para referência e faça a checagem imediatamente. Quando desconfiam de fraude na documentação, alguns lojistas ligam e pedem informações no nome de outro cliente para testar se a pessoa na linha é cúmplice.
  8. Uma simples conversa durante o atendimento pode revelar indícios de fraude. Por exemplo, o funcionário checa o endereço fornecido pelo consumidor e verifica no Google Maps. Basta inventar um nome de rua e perguntar se fica próxima à casa do cliente. Qualquer sinal de hesitação indica risco de fraude.
  9. Crie protocolos para a concessão de crédito e treine seus funcionários. A análise de crédito pode impedir fraudes, mas é importante saber como negar a abertura de crediário sem  constranger o consumidor.
  10. Em último caso, peça o pagamento de uma entrada com valor alto. Algo em torno de 50% do valor da compra. Isso costuma afugentar o estelionatário.

O que fazer depois de sofrer um golpe no comércio?

As regras acima podem reduzir consideravelmente o risco de golpes no crediário, mas ainda assim você não está 100% livre de sofrer com a ação de estelionatários.

Não esqueça que você vai arcar integralmente com o prejuízo, caso a pessoa prove que teve seu documento usado indevidamente por terceiros.

Basta um boletim de ocorrência atestando o furto para eximir o cidadão da responsabilidade e jogar a bomba no colo do comerciante.

Portanto, se a sua loja sofrer um golpe, vá imediatamente até a polícia e faça um boletim de ocorrência. Se você não fizer esse registro, é como se o crime não tivesse acontecido.

Também é aconselhável alertar as entidades de classe da sua região sobre o ocorrido, para que elas possam informar outros lojistas.

Isso pode ajudar a impedir futuros golpes e até mesmo a capturar um estelionatário que esteja atuando na sua cidade.

Não esqueça:

Perdas por fraude são irrecuperáveis e representam prejuízo líquido e certo para o seu negócio (ao contrário das perdas por inadimplência, que podem ser recuperadas com uma boa política de cobrança).

Portanto, fique de olho aberto e siga nossas dicas para evitar golpes no crediário!

Um abraço e até a próxima.