10 dicas para evitar golpes no seu crediário

Mesmo com todos os cuidados na hora da abertura de um crediário, o lojista ainda corre o risco de engrossar as estatísticas de fraude no comércio. Em 2013, o Serasa identificou 2,2 milhões de tentativas de golpes utilizando documentos adulterados – um recorde histórico.

Os estelionatários, na maioria das vezes, tentam fechar a contratação de serviços (telefonia móvel, fornecimento de energia ou aluguel de imóveis) e efetuar compras parceladas no varejo. Então, o que o empresário deve fazer para se proteger?

Os especialistas em combate a fraudes destacam que o estelionatário costuma aproveitar a desatenção do lojista ou de seus funcionários. O comerciante arca integralmente com o prejuízo, caso a pessoa prove que teve o documento usado indevidamente. Um boletim de ocorrência atestando o furto exime o cidadão de responsabilidade e joga a bomba no colo do comerciante.

Tirando aqueles golpes extremamente sofisticados – que representam uma pequena parcela dos casos –, a ação dos criminosos pode ser identificada com facilidade. Para isso, basta seguir rigorosamente algumas regras simples:

  1. Exija sempre a apresentação de documentos originais (RG, CPF e CNH).
  2. Verifique com atenção detalhes do documento. Foto recente em uma carteira de identidade emitida há 20 anos é indício de falsificação.
  3. Compare as informações dos documentos apresentados. O comprovante de residência deve trazer exatamente o mesmo nome apresentado no RG. Estranhe se a identidade pertencer a Carlos da Silva Batista e a conta de luz for registrada em nome de Carlos Batista. Os falsários aproveitam pequenas variações na identificação.
  4. Utilize alguma ferramenta de análise de risco para crediário.
  5. Fotografe o interessado em abrir crediário e monte um banco de imagens. Faça como as portarias de alguns edifícios, que usam webcams para o registro de quem entra e sai. Um falsário vai pensar duas vezes antes de querer ter a imagem registrada.
  6. Peça telefones residenciais para referência e faça a checagem imediatamente. Quando desconfiam de fraude na documentação, alguns lojistas ligam e pedem informações sobre outro cliente para testar se a pessoa na linha é cúmplice.
  7. A atenção deve ser redobrada na véspera de feriados prolongados e datas como Dia das Mães e Natal. Com movimento maior na loja e o acúmulo de pedidos de abertura de crediário, os funcionários podem cometer falhas.
  8. Uma simples conversa durante o atendimento pode revelar indícios de fraude. Por exemplo, o funcionário checa o endereço fornecido pelo consumidor e verifica no Google Maps. Basta inventar um nome de rua e perguntar se fica próxima à casa do cliente. Qualquer sinal de hesitação indica risco de fraude.
  9. Crie protocolos para a abertura de crediário e treine seus funcionários. A análise de crédito impede fraudes, mas não pode representar constrangimento para o consumidor.
  10. Em último caso, o lojista deve pedir o pagamento de sinal com valor alto. Isso costuma afugentar o estelionatário.

O setor de varejo tem no crediário uma de suas maiores armas. A concessão de crédito não pode se transformar em dor de cabeça para o empreendedor. Atualmente, há inúmeros recursos tecnológicos e empresas que ajudam o lojista a reduzir drasticamente o risco de fraude.

Você já passou por alguma situação desse tipo com o seu crediário? Como lidou com ela? Conte para a gente nos comentários. 

MC_Whitepaper_Inadimplencia_BannerCTA